CHARLIE HEBDO E OS LIMITES DA LIBERDADE

QUADRINHO & MONSTRINHO - Civilização 1 cópia

No mundo civilizado a liberdade não pode ser um direito que não conheça limites. Um velho ditado afirma que a liberdade de alguém termina quando começa a liberdade do outro. Esse velho paradigma, creio, não perdeu sua atualidade.
Num mundo em que todos possam levar seu direito à liberdade a extremos com certeza será um mundo profundamente infeliz e negador do valor da vida humana e sua dignidade. Se assim fosse traficantes, nazistas, pedófilos e criminosos de todos os tipos advogariam o direito a sua “liberdade de expressão”. Por isso as leis, construídas através dos séculos, cavaram o leito para o trânsito da vida civilizada.
Somos favoráveis à imprensa livre, a livre manifestação das ideias, na arte, no jornalismo, na literatura – porém podemos nos opor a ideias e conceitos que agridam nossa consciência e os valores que cultivamos – porém de maneira pacífica, jurídica ou conciliatória.
Um exemplo atual oposição ao direito da manifestação da opinião ocorreu na França, com o atentado terrorista que vitimou 12 integrantes do jornal Charlie Hebdo – um pasquim de tendência anarquista e possivelmente filosoficamente ateu. Seus desenhos e charges agrediam sem misericórdia os ícones da religião, seja cristã, mosaica ou muçulmana – o clero e a fé em Deus. Não poupava celebridades mundiais da política. Não era um jornal de grande tiragem – cerca de 60 mil exemplares, periodicamente. Seus integrantes, com muita coragem, se colocavam como quixotes da liberdade de imprensa – porém passaram a sofrer ameaças por parte do clero e de militantes da Jihad islâmica – que culminou com o brutal assassinato a sangue frio de seus principais jornalistas – repudiado por milhões de vozes sob o slogan: Je suis Charlie Hebdo . Entre eles, cerca de 40 estadistas marcharam sob esse mote no centro de País, neste domingo, 11.01.2015
Creio que os radicais sálmicos, especialmente o clero mentor da guerra santa, estão se sentindo vitoriosos porque milhões, publicamente, confessaram diante do mundo ser Charlie Hebdo – esse time de cartunistas em seu oficio obstinado de colocar com toda malícia a fragilidade humana de personagens de carne e osso – brandindo suas armas de grafite, em tiroteio contra o papel, ridicularizando a fé dos que creem. Cristãos e muçulmanos viram seus lideres como alvo dessa transgressão impiedosa. Políticos de potências bélicas foram expostos em piadas nas manchetes coloridas do pequeno jornal.
O ocidente levantou-se em peso para repudiar o atentado terrorista por dois jovens irmãos, nascidos na França e catequisados por uma das filiais da Al Qaeda – a mesma organização responsável pela morte de mais de duas mil pessoas no atentado de 11.09.2001.
O resultado disso, além da equivocada identificação de milhões com o jornal irreverente, coloca o mundo sob a vigilância ainda maior do Estado, ameaçando ainda mais o direito à privacidade e direito ao sigilo da correspondência. O mundo não é mais o mesmo depois da queda das torres do WTC. Em nome da segurança nacional haverá mais restrições ao direito de ir e vir.
Defendemos o direito a livre expressão do pensamento – porém o fato é que a liberdade saiu alvejada e encolhida desse conflito de cosmovisões tão radicalmente opostas. Infelizmente!
Nem sempre os novos súditos das antigas monarquias se adaptam ou são aceitos em sua situação de imigrantes, nesses países. Os talentosos chargistas tiveram mais ousadia que prudência ao ridicularizar a fé alheia. Os cristãos perdoam, mas no Islã radical ainda vigora a lei do “olho por olho, dente por dente”. “O profeta foi vingado” – exclamou um dos jovens terroristas, logo após saírem da redação do jornal. Jesus, porém, continua sendo perseguido, tanto pelo proselitismo ateu como pelos terroristas, que tão bem cumprem o papel de perverter ainda mais a imagem de países de maioria muçulmana. Vários países da Europa sofrem do ressentimento pelas mazelas e perversidades do colonialismo na África. Tão grande foi a revolução do pensamento e da prática religiosa por Jesus Cristo que a história do mundo passou a ser contada como A.C. e D.C. – antes de depois de Cristo. O próprio conceito de democracia e liberdade tem sólidos fundamentos nos ensinos do Novo Testamento.
Nessa guerra de minorias a maioria sempre sai perdendo, seja de que lado for. Por isso continuo sendo a favor da Democracia, da liberdade de expressão do pensamento. Lamento a morte de integrantes do jornal, porém “Je ne suis pas Charlie Hebdo”. NAZI 2

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

ELEIÇÕES, O BRASIL MALDOSO E O BRASIL CARINHOSO

Manifestantes sobem na marquise do Congresso Nacional, em protesto por recursos para educação, saúde, passe livre no transporte público e gastos com grandes eventos de 2014

Nestes 8,5 milhões de km2 convivem brasils distintos. Há o Brasil que trabalha duro, paga cerca de cinco meses de salário em impostos, diretos ou indiretos ao governo. A desgraçada corrupção e privilégios imorais e desonestos, leva o governo a oferecer migalhas, da educação, passando pela saúde e educação. Já foi pior, mas ainda falta muito para vivermos em um País mais decente – culpa da elite encastelada nos três poderes e não na maioria de sua população.
Há o Brasil da classe política, seja de esquerda ou direita. Idealistas nos palanques, beijoqueiros de crianças nas campanhas, prometedores. Poucos desafiam o status quo. Nos gabinetes e tribunas há os que mantêm certa coerência enquanto grande parte, nos bastidores, apenas luta pela reeleição – pela permanência na ilha da fantasia, como é chamada Brasília – afinal o Congresso Nacional é o mais caro do mundo! Se na Suécia, país cujo socialismo tem lastro na Reforma religiosa do Século XVI, um vereador ganha entre R$ 80,00 a R$ 150,00 por sessão em que esteve efetivamente presente – e nada mais que isso – aqui um simples vereador ganha até R$ 10.000,00 por mês com obrigação, nem sempre observada, de participar de quatro ou cinco reuniões semanais! Essa realidade envergonha a cidadania porque é injusta, nociva, perversa. Por essas e outras é que milhões de cidadãos saíram, em 2013, às ruas de capitais brasileiras, exigindo mais respeito, repudiando mazelas, exigindo justiça. Logo veio a versão perversa, os black blocs, desmoralizando e intimidando a grande mobilização. A cidadania recuava.
Há os brasils dos favelados, comunidades que arrumaram um jeitinho de viver penduradas em morros, ou perigosamente junto a esgotos onde seus barrigudinhos brincam. Ali prospera o jeitinho brasileiro – paralelo ao jeitão do decurso de prazo, experientes, compadrismo, do segredo de justiça, das lojas e acordos secretos – o famoso toma lá, dá cá. Em nome da governabilidade as personagens dessa elite que perambula nos três poderes, segue sua sina e seu destino. Vários, procurados pela Interpol, são reeleitos pelo voto popular e permanecem com foro privilegiado, caducando crimes, evitando castigo; sorrindo com escarnio para eleitores analfabetizados. Seria tema para romances de um Dostoievski brasileiro. Não faltam discursos, novas leis para garantir a continuidade de tudo para ficar como está.
O jeitinho brasileiro luta contra a fome e pelo direito de uma tv, geladeira, bens de consumo, roupas de marca – mesmo que sejam da pirataria. Ali convivem policiais corruptos, pastores evangélicos, bares e templos, lojas e bailes fank, traficantes grandes e pequenos; vendedores de CDs e DVDS piratas, que engordam as finanças de contraventores. Ali crianças são aliciadas para serem soldados do tráfico, garotos e garotas de programa junto a rodovias. Rola o tráfico de armas e cocaína, que vem de grandes e mal cuidadas fronteiras do Paraguai, Bolívia, Colômbia. O sonho de Betinho, fome zero, virou o maior cabo eleitoral do Brasil com novo nome.
Quando o governo constitucional de João Goulart, nos anos sessenta, manifestou a intenção de fazer uma reforma agrária no País veio o golpe, orquestrado justamente por representantes de grandes latifundiários e grileiros de terras públicas. Uma das componentes do progresso social dos EUA foi a reforma agraria, feita há mais de 200 anos – gerando emprego, riqueza e justiça social. Aqui, Goulart e seus ministros foram taxados de comunistas. Com o advento da ditadura veio o chamado de agronegócio: Monocultura, maquinário, insumos químicos e venenos agrotóxicos: pão suspeito na mesa de milhões de brasileiros; país que leva no peito a medalha sinistra de maior consumidor de agrotóxicos. Restou ao povo, caboclos, mestiços, bugres amansados, o exílio da terra, a periferia ou a semiescravidão no avanço das patas de vaca penetrando florestas de preservação permanente – fogo, motosserras, contrabando.
Enquanto o impostômetro bate recordes sucessivos em letreiros da pauliceia desvairada, a imprensa denuncia supersalários fora-da-lei no Judiciário; recebemos e-mail que denunciam ministros do STJ ganhando até, ou mais de R$ 300 mil reais/mês, graças à soma de inúmeros benefícios e penduricários. Enquanto os volumosos processos se avolumam, há tempo para fantásticos hotéis e coberturas em Miami, compras em big stores, parques temáticos, ilhas do Caribe. Se você entra no site transparência do STJ pouca informação sobre centenas de milhões gastos, anualmente.
Em cidades como Foz do Iguaçu, uma das mais violentas do País, transitam milhares de muambeiros de todo o País, que fazem desse negócio seu jeitinho de sobreviver. Más línguas do país do Tio Sam dizem que ali são geradas receitas para grupos terroristas. Nessa babilônia a economia prospera do outro lado da ponte – e os zelosos policiais paraguaios fiscalizam as bolsas magras de patrícios que retornam do Brasil. Sob essa aparência de progresso rolam subornos enquanto milhões de cigarros fabricados no Brasil navegam nas águas do lago de Itaipu, regressando ao País de origem.
Há, porém, um Brasil diferente que teima sobreviver ao mar de lama em que chafurda certa elite. Podemos chamar de Brasil carinhoso. Aquele que divide o pão, multiplica a bondade, reparte o pouco e produz o milagre da sobrevivência digna. Enquanto os bancos são campeões do lucro – na crista da onda de altos juros nos quais milhões se endividam – milhares de catadores resgatam do lixo o paradigma da sustentabilidade – própria e do meio ambiente.
Ao lado de verdadeiros cristãos – que não são tantos, infelizmente – pululam seitas neopentecostais, milagreiros, vendedores de ilusões e negociantes de bênçãos. Deus transformado em negociante. Enquanto isso catolicismo romano amealha riquezas vendendo imagens, promovendo o turismo religioso a dezenas de santuários. Não faltam redes de TV para o proselitismo e a vida espiritual acaba virando objeto do mercado. Enquanto isso as telenovelas narcotizam milhões de expectadores, vendendo produtos, ditando a moda e fazendo valer a agenda da desconstrução da família tradicional.
Esse é um perfil deficitário do Brasil que desafia a mente e o coração daqueles que ainda sonham por um País onde as crianças e idosos sejam cuidados com a atenção que merecem. Onde todas suas tribos e comunidades tenham espaço para viver sua vida, diferente da massificação imposta, seja pelo Estado, seja pelas corporações multinacionais. Onde a biodiversidade seja valorizada e utilizada com a sabedoria e não pela gana. Grande parte da História, porém, fica presa entre grades acadêmicas, arquivos secretos ou sob o jugo de “segredos de justiça”.
A Nação, enfim, se dividiu pela metade, neste segundo turno, onde Dilma e Aécio, como jogadores teleguiados por marqueteiros, defenderam sonhos que os brasileiros sonham e se acusaram das mazelas de sempre, que manchetes da imprensa expuseram, reafirmando o direito constitucional da liberdade de informação e pensamento.
(José J Azevedo)

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

PRÁ FRENTE BRASIL (Ou: Mais um “Samba do Crioulo Doido”

PRÁ FRENTE BRASIL

(Ou, Mais um “Samba do Crioulo Doido”)

 

Bom dia meu querido Brasil, como vai ocê?

Acha que vai tudo bem? Acha que vai tudo mal? Fica no meio termo de uma corda bamba?

 Nossas palmeiras e praias, nossos Marimbondos de Fogo,

nosso céu onde brilha a fulgurante constelação do Cruzeiro do Sul,

Nossa criatividade e nosso jeitinho em resolver

As coisas – jeito nem sempre ético, honesto ou decente…

Mas, tantas vezes como forma do brasileiro pobre

– No sentido econômico da palavra -,

Encontrar o jeito de sobreviver sem perder a dignidade

Ou comprometer sua Alma. Haja milagres necessários!

 Ah! Grande Alma desses milhões de brasileiros

Que tanto atrai o mundo pela sua musicalidade, requebros,

Humor, cordialidade em sua Arte de Descascar Abacaxis,

Pra sobremesa dos grã-finos.

Porém, um Brasil – você, meu irmão – Ficando ríspido,

Violento, inquieto, passeateando? … Calma e caldo ralo…

 

O que acontece?

Temos um Congresso tão modesto, o mais “barato” do Mundo

Um MP tão economicamente correto respeitador do Piso Salarial Legal,

Um STJ tão ativo apesar da exigüidade de verba… E tão poucos funcionários …

Tão sôfrego trabalho com os processos que mofam

Por causa das mandingas dos que querem o famoso Decurso de Prazo.

Ora bolas, Brasil, amigos são prá essas coisas, seja manso, compreensivo, paciente.

Afinal o stress é tão grande das autoridades, desde Municípios a Capital Federal… Precisam descansar nas coberturas tão

baratinhas de Miami, distrairrem-se nas comprinhas.

E essa classe média que reclama de pagar nossos suados salários: Chauí, chuá,  nela!

 Ministérios tão eficientes, com boa gente De variegada origem política…

Você reclama, clama, poetiza essa natureza tão peculiar.

Nosso querido agro-negócio, por exemplo, não derruba uma árvore sequer,

Nunca invade terras públicas. Trata bem os índios que atravancam o ‘porgressio’,

E ama a biodiversidade da Amazônia.

Defendem dos truculentos sem-terra, com suas milícias almadas de bate-panelas.

 

Brasileiro? Isso existe?

Fica contentinho ai em sua palafita, no seu barraco, na sua oca, no seu mukifo, no seu barranco!

Não vem espantar turista na Orla Atlântica… Vai aprender alguma coisa boa na Escola do Prof.Raimundo.

O Brasil tem essa sua grandiloqüente política habitacional, que vigora desde

A antiga República, passando pela Dita, pela Nova e pela Constituinte.

 

Irmãos tupiniquins comam brioche se não tem pão à vontade!

– como disse a rainha louca. Vamos lá, com fé e muita reza forte

Pra que caiam por terra os difamadores de plantão, de tão bondosa elite acima de qualquer suspeita

Ou de qualquer ato que desabone sua ficha tão limpa. Limpíssima… Omo Total!

Ora, não reclama, brasilzinho: Nas nossas maviosas fronteiras

Não tem impunidade. Coma sua marmita bolsa família com xuxu do quintalzinho.

E faça o sinal da cruz diante de cada Repartição Pública onde nunca encontram Funcionários Fantasmas.

Há hospitais a granel, remédios e fitoterápicos para todas as doenças, salas de aula de primeiríssimo

mundo, professores regiamente Assalariados… Vivemos num paraíso, descansa neste Berço Esplendido!

Cala a boca e torça prá você, Brasil, ganhar mais uma Copa do Mundo nas arenas padrão FIFA.

– Vamos depois derrete-la dando “Ouro para o bem do Brasil”.

Coitadinho do Pelé que disse que o brasileiro não sabe votar! … Na charge botaram uma chuteira no lugar de sua cabeça

afro-brasileira.

Como diz o antigo pensamento de nossa gloriosa sapiência, nosso modus vivendi :

Vamos mudar pra ficar tudo como sempre esteve, desde as Caravelas, as Entradas & Bandeiras.

 Vamos lá, pra frente Brasil,

Ame-o ou deixe-o!   rs rs   (JJA/2014)

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

O QUE É IMORAL NO STJ? A MISÉRIA NAS PENITENCIARIAS E OS MARAJAS DO PODER JUDICIÁRIO

UU

Enquanto centenas de milhares de presos ficam à merce do relaxo das autoridades, grande parte sem trabalho, sem escola, e até sem cama prá dormir aqueles que tem o dever constitucional de zelar pela recuperação da cidadania de milhares de apenados pela Justiça…. o que fazem além dos supersalários turbinados por penduricários “legais”… o que é, na verdade, o STJ?

Veja abaixo o corajoso artigo do Prof. Dr. Mariano Castelo Branco:

Judiciário

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Manifestação Popular no Brasil 2013 / SANEPAR

SANEPAR - poluição de rios

A SANEPAR POLUI RIOS  E COBRA CARO

PELO ABASTECIMENTO DA ÁGUA

Conforme o site da Sanepar – Cia de Saneamento do Paraná em 1912 a Receita tarifária foi de R$ 2,290 bilhões e Investimentos: num total de R$ 476,3 milhões, atendendo 10,2 milhões de habitantes no Paraná. A SANEPAR tem seu patrimônio gerido com recursos advindos do povo paranaense – porém parece-nos que seus lucros estão cada vez maiores – em prejuízo da economia popular, com contas e taxas muito caras. Afinal a água é patrimônio de todos os paranaenses; todos os equipamentos são fruto do investimento popular – porque esse superávit? Se você estiver fora de seu domicilio e não gastar uma gota de água receberá uma conta de pouco mais de R$ 42,00 aproximadamente, em sua caixa do correio ou debitada em sua conta bancária! Se pedir um desligamento temporário terá que pagar outros R$ 42,00 reais e, para religar, cerca de R$ 150,00. Enquanto uma conta da COPEL, no caso de você estar fora, mesmo com uma lâmpada parcial e diariamente ligada, a tarifa chega a cerca de R$ 8,00!!! Os reajustes são autorizados pelo governo estadual, através de decreto – porque essa distorção? Não podem alegar que há tarifa social para famílias carentes. A Copel tem a chamada “Luz fraterna”, com tarifa social – nem por isso exorbita. Á ÁGUA é um bem público, elemento essencial para a população. Através dos anos a Sanepar foi “engolindo” as empresas municipais de abastecimento. Hoje tem um lucro baseado em taxas absurdas, como de desligamento e religamento temporários. Por outro lado as empresas, que têm lucro com o uso da água têm uma das tarifas proporcionalmente mais baixas, comparativamente a outros estados brasileiros. A SANEPAR foi criada para beneficiar a população e não faturar altos lucros. Hoje quem tem ligação na rede de “tratamento de esgotos” paga quase R$ 50,00 por 10 m3 de água. Grande parte da população desconfia da qualidade da água servida pela SANEPAR, pois cresce o numero de consumidores que apelam para a água mineral, comprada no comércio de cada cidade paranaense. Que tal um PASSE LIVRE para diminuir os lucros e beneficiar a população que não usufrui da tarifa social – porém sempre é onerada por altos impostos e taxas abusivas!? Por outro lado não faltam denúncias de que as estações de tratamento de água (também pagas pela população) fazem um trabalho superficial, em quase nada contribuindo para evitar a crescente poluição de nossos rios – pelo contrário! Veja, por exemplo, a denúncia de Eduardo Panachão, da ONG Meio Ambiente Equilibrado: “Quando você passa ao lado de uma estação de tratamento de esgoto logo após o despejo, o que se vê é uma água podre, sem a menor condição de ser devolvida aos rios. Essa é a água que a Sanepar diz que tratou” Além de criticar o serviço de tratamento de esgoto da companhia, o presidente da ONG também apontou irregularidades no caminho entre a captação do esgoto e as estações de tratamento. “Existem vazamentos nas tubulações que levam esses efluentes até as estações de tratamento. Quer dizer, o trabalho de tratar o esgoto antes de ser jogado de volta nos rios não está sendo feito. Parte do trabalho da Sanepar é não deixar esse esgoto in natura ir para os rios, e é exatamente o que acontece”.  A mesma reportagem faz graves denuncias aos esgotos da SANEPAR: “A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) foi investigada em 20/09, na chamada “Operação Iguaçu” Água Grande”, que apura casos de poluição no Rio Iguaçu. Segundo o delegado da Polícia Federal (PF) Rubens Lopes da Silva, a companhia, classificada como uma “empresa de fachada”, cobra dos usuários pelo tratamento de esgoto, mas não executa os serviços. As investigações apontam que todas as estações atuariam de forma ilegal no estado. Por conta disso, 30 gestores serão indiciados por estelionato“. Veja mais em: http://www.ivandecolombo.com.br/2012/10/pf-diz-que-sanepar-polui-o-rio-iguacu.html).

Essas denuncias, se confirmadas, deverão fazer com que a “empresa” devolva os milhões de dólares já arrecadados para devido tratamento da água descartada pelos contribuintes. A SANEPAR é uma estatal paranaense de capital aberto – há, portanto, acionistas e altos funcionários faturando alto em cima da economia popular. Há alguns anos atrás a SANEPAR teve que fazer uma outra estação de tratamento de esgotos na cidade de Cambé, forçada por decisão judicial, no norte do Paraná – pois a mesma foi autuada por poluir mais de 3 km do rio Caçador. Os proprietários rurais tiveram, na época, de fazer cercas para impedir que o gado bebesse a água do rio, sob risco de morrer contaminado.

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

PASSE LIVRE PARA EXPLICAÇÕES DOS 3 PODERES DA REPUBLICA

PASSE LIVRE PARA EXPLICAÇÕES. EIS ALGUMAS SUGESTÕES DE PAUTA PARA UM DIALOGO RACIONAL ENTRE MOVIMENTOS SOCIAIS ORGANIZADOS E REPRESENTANTES DOS PODERES INSTITUCIONAIS DO BRASIL, TENDO EM VISTA O APERFEIÇOAMENTO DA DEMOCRACIA E FIM DE INJUST…IÇAS E MAZELAS. PRESIDENTA DILMA, SENADORES E DEPUTADOS, ALÉM DE MINISTROS DO PODER JUDICIÁRIO, QUEREMOS QUE EXPLIQUEM:
 
1. Quais as prioridades de seu governo ao gastar centenas de milhões de reais para atender exigências exageradíssimas da FIFA (e seus loobies interessados em faturar alto com o dinheiro do povo) com relação aos estádios luxuosos – enquanto o SUS e hospitais públicos atendem de forma precária e deficitária os que pagam essas contas absurdas.
2. Por que o Brasil vem gastando bilhões de dólares no HAITI enquanto países de economia mais resolvida se afastam de uma efetiva ajuda humanitária aquele país – cujo povo foi explorado por europeus durante séculos. Temos dinheiro sobrando?
3. Por que faltam remédios de uso continuado em boa parte dos postos de saúde, se a lei garante esse direito ao povo brasileiro?
4. Por que a Petrobrás investe milhões de reais em filmes de má qualidade?
5. Por que nossas fronteiras estão abertas ao contrabando, ao tráfico de drogas e de armas – faltam recursos para efetivos ou há uma cumplicidade com países como a China – um dos maiores beneficiários pelas contravenções?
6. Porque dezenas de milhares de presos pobres são duplamente penalizados com presídios superlotados, levando vida ociosa que favorece a criminalidade e a revolta quando ganham as ruas – enquanto há impunidade de mensaleiros chega a ponto de ninguém barrar pela lei da ficha-limpa a posse e permanência de delinqüentes processados e julgados pelo STF?
7. Porque centenas, talvez milhares de funcionários do judiciário brasileiro chegam a ganhar absurdos R$ 100.000,00 por mês – com oficiais de justiça faturando R$ 20.000,00, 30.000,00 ou mais. Não existe uma lei que veta salários acima do teto legal? Enquanto essa perversidade persevera o trabalhador comum tem que sobreviver com salário mínimo de R$ 600,00, com descontos e impostos abusivos.?
8. Porque há tanta impunidade que enoja o cidadão de bem, em nosso País? Quais os projetos de lei enviados pela Presidência atual para acabar com a impunidade colocando bandidos da corrupção oficializada na cadeia?
9. Por que o bando do “Mensalão” ou familiares beneficiados com dinheiro ilegal ainda não devolveram aos cofres públicos as vultuosas somas aferidas pelas investigações? 10. Por que há tanta timidez em empreender a formação profissional de jovens, com cursos e qualificação, que entram no mercado de trabalho nas cidades e no campo? Por outro lado, as universidades públicas são quase privilegio dos mais ricos – o governo devia exigir contrapartida em serviços médicos e outros, para compensar o investimento advindo de altos impostos a grande maioria da população.
11. Por que agrotóxicos que colocam em risco a saúde de milhões de brasileiros – proibidos até em seus países de origem – ainda continuam contaminando nossa comida? A ANVISA é inoperante? Que barreiras impedem de exercermos nossa soberania?
12. Porque grileiros de terra, ameaçadores de tribos indígenas e desmatadores de APPs – Áreas de preservação permanente – além de serem incentivados não são coibidos. O território brasileiro é terra de ninguém em beneficio de grileiros e de agronegociantes? 13. Sabemos que vários desses questionamentos não são diretamente de sua responsabilidade pessoal, como Presidenta, porém, qual a sua posição com relação a eles – como líder eleita democraticamente, como tem lidado com essas questões que influenciam a vida nacional?
14. Que tal mobilizar a Nação no sentido de banir de corações e mentes uma cultura da esperteza, e incentivo à delinqüência – que não é privilégio apenas de sua elite ancorada há séculos nas benesses públicas. O bom exemplo tem que vir de cima. Sua responsabilidade é muito grande no sentido de começar pelos seus colegas de partido, e aliados, a diminuir os salários escandalosos que fazem do Congresso Nacional o MAIS CARO (Não de querido) FINANCEIRAMENTE do MUNDO! Isso afronta a consciência de um povo solidário, amigo como é o brasileiro comum, o cidadão que paga a conta com cerca de cinco meses de seu salário anual para pagar os impostos exigidos pelo Estado. 15. Porque o Poder Judiciário (STF/STJ) avança para legislar indevidamente, criar jurisprudências que colocam em risco a integridade de menores brasileiros por pedófilos, de forma a incentivar a prostituição infantil – beneficiando delinqüentes de posses e, por outro lado, incentivando o turismo sexual lesa humanidade?
16. PEC 37 – Porque o Congresso busca coibir o Ministério Público auxiliar em investigações criminais? Os representantes eleitos devem primar pela transparência e valorizar todo esforço de forma a preservar a Nação de todo tipo de impunidade, especialmente quanto a corrupção nos poderes constitucionais – inclusive quanto a personagens do Judiciário.
17. A Senhora e os senhores não acham que está na hora de repensar o governo – em seus três poderes – com base na resposta que o povo vem dando nas ruas – com milhões de manifestantes ordeiros que querem paz com verdadeiro progresso social? . José J Azevedo/Jornalista

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

O PARADIGMA MORAL E O FIM DA INFANCIA

Imagem

18 DE MAIO DIA NACIONAL DE COMBATE AO ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Normal
0
21

Talvez seja em nome do politicamente correto, ou do interesse de corporações, que grande parte da mídia tem se calado frente a permissivas mudanças de paradigmas sociais, em nosso País, como no mundo. Há questões candentes e de profunda repercussão na sociedade para a qual parece tabu tocar no assunto – ou fazer alguma crítica. Há no mundo chamado ‘civilizado’ lobbies aparentemente poderosos que querem construir uma sociedade à sua imagem e semelhança – e, para isso, empreende verdadeira cruzada, para impor sua agenda. Para que seus objetivos sejam alcançados lutam pela desconstrução de valores e práticas milenares. Seria especulação ‘fundamentalista’ ou mais uma teoria delirante de conspiração? Cremos que podemos mostrar o rastro para afirmar que há, realmente, projetos que querem dinamitar o pensamento mais tradicional e valores sobre os quais a sociedade busca manter sua sanidade frente à imposição de mudanças que sopram dessa cornucópia aberta com a internet e outros meios de comunicação. Em abril 4.4.2013, conforme a Lei nº 12.796 o Estado obriga, sob pena de multo de 3 a 20 salários mínimos, os pais a matricularem seus filhos a partir dos quatro anos de idade. A obrigatoriedade era para crianças a partir dos seis anos de idade:  Artigo 6°: “É dever dos pais ou responsáveis a matricula das crianças na educação básicas a partir dos quatro anos de idade”.

 

 O que era necessidade para muitos pais, em função de trabalho, virou obrigatoriedade. Dessa forma as crianças passam a serem socializadas mais cedo e longe de seus pais – da mesma forma que pintos de granja. A família vai deixando de ser a protagonista da educação dos filhos, cabendo ao governo o seu discipulado. O perigo, aí, seria a manipulação ideológica, de acordo com a tendência política no poder. Há decisões judiciais que apontam para essa era de permissividade: No ano passado um juiz do STJ inocentou e tirou da cadeia um réu acusado de ter estuprado três menores, todas de 12 anos. Tanto o juiz que analisou o processo como o tribunal local o inocentou com o argumento de que as crianças “já se dedicavam à prática de atividades sexuais desde longa data”. Os meritíssimos não indagaram sobre quem induziu essas crianças à sexualidade prematura. Quer dizer que milhares de casos de pedofilia ocorrem em nosso País, em clara negação da Constituição Brasileira e do Estatuto da Criança e do Adolescente, agora passam a ter jurisprudência? O Brasil, vergonhosamente, já é afamado na Europa e outros países em função do chamado “turismo sexual”. A prostituição de menores virou um negócio milionário, que envolve desde rede de hotéis, empresas de transporte e de turismo, agentes de viagem, etc.1.  Jornais e revistas de circulação nacional noticiam sobre abuso de crianças e adolescentes na Amazônia. Um exemplo é o da ISTOÉ, que denuncia ameaça a três religiosos, no Pará, por sua luta em defesa da inocência das crianças:

 

 … Instalados há décadas na região, os religiosos sabem muito bem que quem atravessa no caminho dos criminosos vira alvo. No episódio mais recente, há quatro meses, o bispo de Marajó, dom José Luiz Asco na, 71 anos, foi avisado pela Polícia Federal que bandidos articulavam uma ação contra ele. Apesar disso, dispensa a segurança que os agentes lhe oferecem. “Que direito eu tenho de colocar em risco um pai de família?”, questiona o bispo. “Diante da morte, que pode chegar a qualquer momento, Deus me dá coragem.” Além de Asco na, também os bispos de Abaetetuba, dom Flávio Giovenale, e Altamira, dom Erwin Krautler, lutam contra a exploração sexual e sofrem ameaças por isso” (http://www.istoe.com.br/reportagens/156702_BISPOS+AMEACADOS)

 

 

Decisões do STF e do STJ, mencionadas podem significar mais um passo para a sucatização da infância, em nosso País. Seus inimigos espreitam, dentro e fora dos palácios, em casas legislativas e até dentro da própria casa. No rumo dessas mudanças, que deixam a maioria dos pais em estado de alerta e preocupação, vemos a cantora Daniela Mercury, embaixadora da UNICEF no Brasil há 18 anos, assumindo publicamente, com grade alvoroço da mídia, sua relação homoafetiva, depois de separar-se de seu marido italiano. Ela postou várias fotos com a seguinte legenda Malu agora é minha esposa, minha família, minha inspiração pra cantar“. Ela tem direito a ter suas opções sexuais. Sua participação ativa em campanhas pela prevenção a AIDS, ao combate do racismo e exploração de crianças e adolescentes é reconhecida e valorizada. Porém, e agora, após manifestação pública e, também doutrinária, podemos dizer, como fica sua relação com a UNICEF? O conflito entre a tradição judaico-cristã e a revolução hedonista é clara. Como fica isso na cabeça das meninas? O Projeto de Lei N. 4.2011/2012 do deputado do PSOL, Jean Wyllys, que ficou conhecido como ‘lei Gabriela Leite’ oficializaria a profissão de prostituta, com a descriminalização de casas de prostituição, assegurando aos profissionais do sexo ao trabalho “voluntário e remunerado”. Já que lei garante igualdade de direitos a ambos os sexos tanto a prostituição feminina como masculina seriam reconhecidas como licitas.  Por outro lado a assessora parlamentar no Congresso Nacional, advogada e mestre em educação, Damares Alves, está ‘bombando’ no youtube com um vídeo onde argumenta haver uma agenda orquestrada para o incentivo ao uso de drogas e a legalização da pedofilia no País. A advogada denuncia pressões para alterações no Código Civil para que adolescentes, a partir dos 12 anos de idade, tenham autonomia civil. Afirma que essa mudança, associada ao projeto de Jean Wyllys – ícone do movimento gay e ex-BBB – resultariam, na prática, a liberação legal da pedofilia e prostituição de meninos e meninas, no Brasil. Ela vai além mostrando slides com páginas de cartilhas pedagógicas ilustradas publicadas a partir de 2002, e financiadas pelo Ministério da Saúde e distribuída pelo SUS em postos de saúde e escolas públicas, para crianças de 10 a 12 anos de idade, orientando o uso de cocaína e crack. Cita um trecho da cartilha, publicada por adeptos da ‘política de redução de danos’:

 

 “Ao usarem o crack, passe protetor labial para que seus lábios não ressequem… Esses equipamentos são seus, não compartilhe”.

 

 Sua palestra também foca a realidade da erotização da criança como parte dessa agenda de desconstrução da família, sua crença e moral, tradicionais. Cita o exemplo da capa de um disco da Xuxa com o tema carnaval infantil, onde expõe duas crianças de três a quatro anos de idade trajando maiôs ‘fio dental’, com as nádegas expostas. Mostra também como a coisa tem ido longe, com cartilhas pagas com dinheiro de impostos orientando, no âmbito escolar, a masturbação de crianças e incentivo a manipulação genital e homoafetividade infantil – como a foto de um neonato com uma braçadeira escrito: “homossexual” em defesa da teoria de haver uma predisposição genética da inclinação – em vez de ser algo aprendido ou imposto a uma pessoa. Paralelamente o PL 122, de autoria da Iara Bernardi, que teria objetivo de minar a ‘homofobia’, ficou conhecido como “a lei da mordaça”. Já perdeu algumas batalhas e regressou à Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal. Católicos e evangélicos rejeitam o texto que criminaliza a opinião. Se aprovado, dizem, a Bíblia passaria a ser um livro ‘homofóbico’. Enfim, na era digital milhões de crianças a partir dos quatro a seis anos de idade estão expostas a informações que, em gerações recentes, eram completamente inadmissíveis. Programas de TV, do auditório ao humorístico, propaganda de produtos, cosméticos, moda infantil, etc., tudo apela ao sexo precoce. Os pais têm cada vez menos tempo para os filhos e o Estado impõe o fim da disciplina paterna (Lei da Palmada). Tudo parece caminhar para o fim da infância. Seria o começo do caos?

      José J Azevedo, jornalista – 05.2013

 

 

1  No final de 2010, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) publicou um estudo onde identificou 1.820 pontos de prostituição de crianças e adolescentes nas rodovias brasileiras. Desses, a maioria –545 ao todo– estava no Nordeste. Por questões estratégicas, a PRF não informou os locais com principais focos de atuação dos criminosos.
 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized